Login: Senha:
Membros da Academia
Médicos, residentes, estudantes
Público Leigo
Boletim Neuro Atual
Arquivos de Neuro-Psiquiatria
Dementia & Neuropsychologia
Neurobiologia
Revista Neurociências
Classificados
Classificados profissionais



COMUNICADOS
Home > Comunicados

11/06/2012
Acordo com parâmetros éticos para relação médico-indústria farmacêutica

No dia 14 de fevereiro foi assinado o acordo com parâmetros éticos para relação médico-indústria farmacêutica. O protocolo começou a ser discutido em 2010, a partir de uma proposta da Interfarma, e também foi assinado por outras entidades, como a Associação Médica Brasileira (AMB) e a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), também pioneira nas discussões, nesta terça-feira (14), na sede do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp). Para o presidente do CFM, Roberto Luiz d’Avila, a iniciativa atesta que a relação entre os médicos e a indústria evolui para um novo patamar. Segundo ele os médicos e suas entidades de representação conquistam mais transparência e respeito para expressar suas opiniões, ideias e análises.

Fazem parte do documento temas como o apoio das empresas ou entidades à organização de congressos técnicos e científicos, os patrocínios aos convidados de eventos, as ofertas de brindes e presentes, e as boas práticas esperadas no trabalho de visitação aos hospitais, clínicas e consultórios.

Segundo Florentino Cardoso, presidente da AMB, deve ficar bastante clara a convivência entre os médicos, a indústria farmacêutica e a de equipamentos. Para o presidente, os médicos devem evitar situações onde ocorram conflitos de interesses, pois a atividade médica deverá ter sempre como principal foco o que é melhor para os pacientes. De acordo com Antÿnio Britto, presidente executivo da Interfarma, assim que o Dr. Roberto d’Avila assumiu a presidência do CFM, a Interfarma propÿs um diálogo com a classe médica para avançar na pactuação e na definição do que seja ético entre médico e indústria farmacêutica, a partir da premissa de que ambos são os maiores interessados que a relação entre eles ocorra de forma tr ansparente.

O processo de discussão envolveu os 28 conselheiros do CFM e representantes da Interfarma. Os segmentos reafirmaram o propósito de estabelecer um compromisso de conduta ética, não abrindo mão de princípios como transparência e respeito incondicional à autonomia e independência técnico-científica da classe médica. Antÿnio Britto acrescenta que com o acordo é possível assegurar ao CFM que aquilo que está sendo assinado não ficará apenas como declaração de intenção. A Interfarma começará imediatamente a fiscalizar e, com o apoio de nossos associados, tornará realidade o que foi proposto no documento conjunto.

O presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), Jadelson Andrade, diz que há um ano a entidade tomou a iniciativa de reunir as instituições envolvidas e indústria para chegar a um consenso necessário, que se corporifica agora no documento do Conselho, com total apoio da Associação Médica Brasileira. Segundo Andrade, o documento traz a necessária transparência no relacionamento médico-indústria e representa o resultado do trabalho de vários setores que, ao longo de demoradas reuniões, conseguiram um consenso entre as entidades que representam a quase totalidade dos laboratórios farmacêuticos, as sociedades médicas e o CFM. Ele completa afirmando que esse acordo pioneiro certamente balizará outros que se seguirão, estabelecendo parâmetros éticos que, em última instância, haverão de beneficiar o paciente, cuja saúde e correto atendimento é o objetivo final de todos os envolvidos.

Roberto d’Avila defende que, respeitadas as premissas éticas, a interação do médico com a indústria pode ser exercida de maneira positiva. Segunde ele, ao assinar o documento, o principal das instituições envolvidas é o respeito irrestrito à independência técnico-científica da classe médica para obter resu ltados que atendam, principalmente, às necessidades dos pacientes.

Conheça as principais orientações:

Organização de eventos - O patrocínio pela indústria será possível por contrato escrito com a empresa ou entidade organizadora. O apoio da indústria não pode estar condicionado à interferência na programação, objetivos, local ou seleção de palestrantes.

Participação de médicos - A presença de médicos em eventos a convite da indústria deve ter como objetivo a disseminação do conhecimento técnico-científico e não pode ser condicionada a qualquer forma de compensação por parte do profissional à empresa patrocinadora. As indústrias farmacêuticas utilizarão critérios objetivos e plurais para identificar os médicos que serão convidados a participar de eventos, não podendo usar como base critérios comerciais.

Sobre despesas e reembolsos - As indústrias fa rmacêuticas que convidarem médicos para eventos somente poderão pagar as despesas relacionadas a transporte, refeições, hospedagem e taxas de inscrição cobradas pela entidade organizadora. O pagamento de despesas com transporte, refeições e hospedagem será exclusivamente do profissional convidado e limitado ao evento. Fica proibido o pagamento ou o reembolso de despesas de familiares, acompanhantes ou convidados do profissional médico.

Os médicos convidados não podem receber qualquer espécie de remuneração (direta ou indireta) pelo acompanhamento do evento, exceto se houver serviços prestados fixados em contrato.

As indústrias farmacêuticas não poderão pagar ou reembolsar qualquer despesa relacionada a atividades de lazer, independente de estarem ou não associadas à organização do evento científico.

Brindes e presentes - Os brindes oferecidos pelas indústrias farmacêuticas aos profissionais méd icos deverão estar de acordo com os padrões definidos pela legislação sanitária em vigor.

Esses materiais devem estar relacionados à prática médica, tais como: publicações, exemplares avulsos de revistas científicas (excluídas as assinaturas periódicas), modelos anatÿmicos etc.

Os objetos devem expressar valor simbólico, de modo que o valor individual não ultrapasse um terço do salário mínimo nacional vigente.
Produtos de uso corrente (canetas, porta-lápis, blocos de anotações etc.) não são considerados objetos relacionados à prática médica e, portanto, não poderão ser distribuídos como brindes.

Regras para visitação - O relacionamento com profissionais da saúde deve ser baseado na troca de informações que auxiliem o desenvolvimento permanente da assistência médica e farmacêutica.

O objetivo das visitas é contribuir para que pacientes tenham acesso a terapias eficientes e segur as, informando os médicos sobre suas vantagens e riscos. As atividades dos representantes das indústrias farmacêuticas devem ser pautadas pelos mais elevados padrões éticos e profissionais. Não pode haver ações promocionais de medicamentos dirigidas a estudantes de medicina ainda não habilitados à prescrição, observadas as normas do estatuto profissional em vigor.

Fonte: Sindhosp

 

Rua Vergueiro 1353 - sl 1404 - 14ºandar - Torre Norte Top Towers Office - São Paulo/SP - Brasil CEP: 04101-000 Tel.+55(11) 5084-9463/5083-3876
Copyright © Academia Brasileira de Neurologia | Política de privacidade e uso de informações