Login: Senha:
Membros da Academia
Médicos, residentes, estudantes
Público Leigo
Boletim Neuro Atual
Arquivos de Neuro-Psiquiatria
Dementia & Neuropsychologia
Neurobiologia
Revista Neurociências
Classificados
Classificados profissionais



COMUNICADOS
Home > Comunicados

19/09/2013
Reino Unido discute aumento de exigência para médico estrangeiro

Principal alvo são os europeus, que hoje não precisam comprovar fluência em língua inglesa

 

Enquanto Brasil briga com categoria por causa do Mais Médicos, governo britânico se alia a conselho médico

 

Enquanto o governo brasileiro trava batalha com entidades pelo registro de estrangeiros no Mais Médicos, no Reino Unido ocorre o inverso.

 

O governo britânico acaba de se aliar ao órgão de registros, o GMC (General Medical Council), para ampliar o cerco a médicos que não falam inglês. Um dos alvos são os europeus, que não têm de comprovar fluência no idioma.

 

Hoje, 36% dos 260 mil médicos registrados são estrangeiros, sendo 26 mil de países da Europa. O restante de fora, 67 mil, precisa comprovar conhecimento linguístico, além de uma série de documentos, como validação do diploma e experiência na área.

 

Desses, apenas 137 são brasileiros, diz o GMC, órgão equivalente ao CFM (Conselho Federal de Medicina) no Brasil.

 

O ministério da Saúde do Reino Unido pretende alterar as regras para que o GMC possa exigir, a partir de 2014, comprovação de fluência dos europeus que pedem registros.

 

O foco são os novos pedidos, mas a mudança daria ao órgão aval para investigar, quando bem entender, qualquer médico, seja qual for a nacionalidade. Uma consulta pública foi aberta anteontem.

 

Desde 2011, o GMC recebeu 66 relatos de pacientes que tiveram problemas de comunicação com médicos.

 

"A segurança dos pacientes deve vir em primeiro lugar. Os médicos aqui devem falar inglês claramente para poder se comunicar. Caso contrário, temos que impedi-los de atuar no Reino Unido", diz o presidente do órgão, Niall Dickson.

 

Em recente declaração, o ministro britânico da Saúde, Dan Poulter, elogiou a presença de estrangeiros, mas disse que são necessárias avaliações "mais rígidas".

 

Há quatro anos vivendo em Londres, a ginecologista brasileira Josevânia Martins conseguiu o registro sem precisar de prova de inglês porque é casada com um alemão. Ela se enquadrou no grupo de europeus. Agora, não vê problemas no aumento do rigor.

 

"Aqui, para falar atender um cidadão britânico, não tem como não falar inglês. Precisa saber se ele está com dor de cabeça, de barriga, o que sente. Tem que ter uma boa fluência", diz.

 

No Brasil, o governo ameaça ir à Justiça contra entidades que não concederem registro aos 682 médicos com diplomas do exterior que participarão do programa. Para o CFM, eles não estão comprovando capacidade e entre as deficiências está a falta de conhecimento de português. O governo alega que o teste de idioma está incluído no programa.


 

Rua Vergueiro 1353 - sl 1404 - 14ºandar - Torre Norte Top Towers Office - São Paulo/SP - Brasil CEP: 04101-000 Tel.+55(11) 5084-9463/5083-3876
Copyright © Academia Brasileira de Neurologia | Política de privacidade e uso de informações