Login: Senha:
Membros da Academia
Médicos, residentes, estudantes
Público Leigo
Boletim Neuro Atual
Arquivos de Neuro-Psiquiatria
Dementia & Neuropsychologia
Neurobiologia
Revista Neurociências
Classificados
Classificados profissionais



COMUNICADOS
Home > Comunicados

08/10/2012
Informações sobre a saúde suplementar no Brasil

Dados gerais sobre o setor

- O Brasil tem 371 mil médicos em atividade, registrados no Conselho Federal de Medicina.
- Aproximadamente 170 mil médicos atuam na saúde suplementar, atendem usuários de planos e de seguros de saúde.
- 47,8 milhões (25% da população) é o número de usuários de planos de assistência médica no Brasil. O dado é de dezembro de 2011.
- 77% dos usuários de planos de assistência médica estão em planos coletivos (quase 37 milhões de pessoas). 21% têm plano individual ou familiar.
- Por ano, os médicos realizam, por meio dos planos de saúde, em torno de 223 milhões de consultas e acompanham 4,8 milhões de internações.
- Os médicos atendem, em média, em seus consultórios, oito planos ou seguros saúde.
- Cada usuário de plano de saúde vai ao médico (consulta) em média 5 vezes por ano.
- 80% das consultas, em um mês típico de consultório médico, são realizadas por meio de plano de saúde. As consultas particulares representam, em média, 20% do trabalho médico em consultório.
- Dos usuários de planos de assistência médica, 16% ainda permanecem em planos antigos (7,6 milhões), muitos deles com restrições de cobertura ainda piores do que as praticadas pelos planos novos (contratos após janeiro de 1999).
- Em média, o número de beneficiários de planos de saúde aumenta 4% a cada ano. De 2011 à março de 2012, mais um milhão de brasileiros passaram a ter plano de saúde – aumento de 2,2%.
- O aumento da renda dos brasileiros e a situação positiva do mercado de trabalho, com baixas taxas de desemprego e crescimento de vínculos formais com carteira assinada, fizeram crescer a venda de planos de saúde, sobretudo os coletivos e empresariais, que somam 77% do mercado.
- Os índices de inflação – de 2000 a 2011, medidos pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), utilizado pelo governo para medição das metas inflacionárias – acumularam 119,8% no período, o que não foi repassado aos honorários médicos.
- De 2000 a 2011, os reajustes da ANS autorizados para os planos individuais acumularam 150,89%, sem repasse aos honorários médicos. A ANS autorizou em 2011 o maior aumento às operadoras desde 2007, ao fixar em 7,69% o índice de reajuste. Os planos coletivos podem ter reajustes anuais ainda maiores, pois é livre a negociação entre operadoras e empresas ou grupos contratantes.

Dados sobre os reajustes praticados pelas operadoras

ANO

IPCA

REAJUSTE ANS

2000

6,92

5,42

2001

6,44

8,71

2002

7,75

7,69

2003

16,57

9,27

2004

5,89

11,75

2005

7,54

11,69

2006

5,32

8,89

2007

2,96

5,76

2008

4,73

5,78

2009

5,61

6,76

2010

5,17

6,73

2011

6,3

7,69

Acumulado 2000 a 2011

119,8

150,86




Dados sobre a saúde financeira das operadoras

- Existem hoje 1.607 planos em atividade, dos quais 60% são de pequeno porte, com até 20.000 pessoas. - O valor médio da mensalidade cobrada pelos planos de saúde em 2011 foi de R$ 136,40, uma variação de 7,4% em relação a 2010, quando os planos custavam, em média, R$ 127,00 per capita/mês. - A sinistralidade (razão entre a despesa assistencial e receita angariada com as mensalidades) é de 82,4%. - A receita dos planos de saúde cresce, em média, 14% ao ano. Em 2011, as operadoras médico-hospitalares tiveram uma receita de R$ 82,4 bilhões, 12,9% a mais que em 2010 (veja quadro abaixo).

Valores dos procedimentos e consultas pagas pelos planos de saúde

ANO

Receita das operadoras médico-hospitalares

Crescimento anual (%)

2012

21.198.226.813

 -

2011

82.394.345.945

12,9%

2010

72.978.896.332

13,2%

2009

64.467.357.176

8,3%

2008

59.506.626.909

16,4%

2007

51.121.037.497

22,6%

2006

41.713.758.347

14,2%

2005

36.522.370.360

14%

2004

32.025.713.892

13,4%

2003

28.242.646.837

9,9%

2002

25.691.143.356

16,6%

2001

22.036.349.139

 -

Fonte: ANS. Em 2012, referência a março



A receita das operadoras médico-hospitalares cresceu 192% entre 2003 e 2011. No mesmo período, o valor médio pago por uma consulta médica, segundo a ANS, cresceu 65%. Há planos que ainda pagam valores abaixo dessa média.

 

ANO

Valor médio pago por uma consulta médica (R$)

2012

 -

2011

46,12

2010

42,54

2009

40,26

2008

40,3

2007

36,91

2006

33,37

2005

31,38

2004

30

2003

28



Fonte: ANS

 

Rua Vergueiro 1353 - sl 1404 - 14ºandar - Torre Norte Top Towers Office - São Paulo/SP - Brasil CEP: 04101-000 Tel.+55(11) 5084-9463/5083-3876
Copyright © Academia Brasileira de Neurologia | Política de privacidade e uso de informações